MINHO | MIÑO

Por Carlos Casteleira

 
 
 
Ao longo dos tempos a fronteira física e mental, que constitue o Rio Minho e as culturas ligadas a ele, foram evoluindo. Hoje o Rio aparece como um patrimônio comum que constrói pontes entre as suas margens. Como foi pensar e construir realidades que rejeitam barreiras e fronteiras que teimam em resistir ?  Como viver com os outros ? A minha vivência, entre França e Portugal, tem sido acompanhada por perguntas ligadas a fronteira, a paisagem, a identidade e a importância do dialogo que estabelecemos com as margens.
 

Sobre o autor:

Com formação em ótica e em fotografia, Carlos Casteleira vive em França desde os finais dos anos 60. É professor assistente na Escola Superior de Arte de Aix en Provence desde 1995. Enquanto agente de ação cultural, trabalhou com a comunidade portuguesa do sul de França, (“Ser e Estar” 1995 - éd. Créaphis). Trabalhou ainda com outras populações (Burkina Faso e Ilha da Reunião, no Brasil, Cabo Verde e Moçambique), mas é em Portugal que tem mais interesses.  Curador na edição de 2011 da Bienal de Cerveira, tem sido convidado a participar nas edições posteriores. Participou em residências artísticas em Guimarães (Capital Europeia da Cultura, 2012) e em Vila Nova de Cerveira (2013). Organizou várias visitas de estudantes e artistas franceses ao Brasil e a Portugal e vice versa. Dedica-se a realização de projetos artísticos ligados ao meio ambiente e a paisagem com os quais formamos ecosistemas.
 
The meat we eat

by Anki Grøthe

 

The Things We carry

by Esther Ruth Mbabazi

Namikake

by Arito Nishiki

Jingyeong Sansu 진경산수

by Seunggu Kim 김승구

Pages